Pular para o conteúdo principal

O projeto Criança Não é Brinquedo

Campanha de comunicação sobre direitos das crianças e adolescentes assegurados pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e na Declaração Universal dos Direitos Humanos
Serão produzidos 12 vídeos que a serem veiculados na internet, em TVs públicas e educativas, centros culturais, cineclubes e escolas por um ano. Com uma linguagem direcionada a sociedade civil na intencionalidade de sensibilizar e mobilizar para discussões das políticas públicas e dos direitos fundamentais das crianças e adolescentes.
Pretende-se informar para  combater o crescente antagonismo que a sociedade tem desenvolvido em relação ao ECA, associando os  problemas de segurança pública aos direitos já conquistados.
Ao final do projeto Criança não é Brinquedo pretende-se sensibilizar a população d a sociedade brasileira por  12 meses em relação aos direitos da infância e da adolescência, alcançando um público de pelo menos 12 mil  pessoas ao longo do projeto, pela veiculação em TV e internet. O resultado será medido pelo número de  exibições dos vídeos da campanha em visualizações na internet. Prevemos uma média de mil visualizações  por vídeo, podendo-se alcançar um público ainda maior.

Outros produtos a serem desenvolvidos pelo projeto como estratégias de divulgação:
* Hot Site Criança não é Brinquedo
Conteúdo: Agenda de direitos, leis e tratados internacionais sobre direitos da infância, vídeos, poemas,
fotos e jingles.Também será criada uma página no facebook para potencializar a divulgação
* Panfletos
Formato A5 com slogans relativos à criança voltados para adultos, crianças
Tiragem: 10 mil
Exemplos de slogans para os panfletos:
“Inclua a criança na sua agenda”
(Para distribuição para público em geral em seminários, manifestações, centros culturais, associações comunitárias, ONGs)
“Todo dia é dia de lutar pelo direito da criança”
(Para distribuição para público em geral em seminários, manifestações, centros culturais, associações comunitárias, ONGs)
“Criança: declare os seus direitos” (Para distribuição nas escolas)
“CRIANÇA NÃO É BRINQUEDO – não pode ser esquecida”
(Para distribuição para público em geral em seminários, manifestações, centros culturais, associações comunitárias, ONGs)
Efeitos esperados:
- Mudanças de curto prazo: por meio das campanhas se realizará uma maior promoção dos direitos da infância e da adolescência com a difusão;
- Em médio prazo se espera o fortalecimento de redes de proteção à infância e adolescência;
- A longo prazo espera-se que as próprias crianças e adolescentes se tornem protagonistas da luta pelos seus
direitos, com apoio dos pais e professores de forma a melhorar as estatísticas relativas à infância e
adolescência no Brasil a partir de realidades locais em um contexto nacional.
Realização: Instituto Imersão Latina
Apoio e mais informações:
(31) 8811-9469 (31) 3227-6869
brenda@imersaolatina.com
Brenda Marques Pena – Coordenadora do Projeto Criança não é brinquedo


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um encontro brincante com o grupo Serelepe

O espetáculo  "Brinquedorias"  apresenta brincadeiras que não são muito conhecidas por aqui e acolá. Elas foram escolhidas por serem curiosas, instigantes e divertidas. Além de suas belas melodias, elas nos provocam com suas movimentações pelo espaço e pelas possibilidades de ficarmos "inventando moda" com elas. Essas brincadeiras foram recolhidas no dia a dia de seus integrantes, por meio da memória da infância, da formação profissional e do encontro com brincantes desse Brasil e da América do Sul e são apresentadas de forma cênica musical, valorizando os aspectos sonoros e os movimentos como inspiradores para a performance. Realizado pela Lei Municipal com patrocínio do Mater Dei,  "Brinquedorias"  vai contar com uma dobradinha no mês de junho.  Dia 1º, às 16h, no Espaço Comum Luiz Estrela , e  dia 8, no mesmo horário, no Espaço Alberto Pierrot Lunar , em Belo Horizonte.  O acesso é gratuito. Formado por  Reginaldo Santos ,  Gabriel Murilo ,  Eugê

EU FAÇO MEU BRINQUEDO

LUGAR DE CRIAÇÃO, PROJETO DO  CCBB   EDUCATIVO , DESENVOLVE SÉRIE DE ATIVIDADES  PARA ESTREITAR O DIÁLOGO COM A ARTE, EM MAIO DIAS 25 E 26 TERÁ A OFICINA “EU FAÇO MEU BRINQUEDO” No projeto  Lugar de Criação , o  Programa  CCBB   Educativo  desenvolve uma programação especial que tem como objetivo a ocupação, convivência, criação e diálogo com a arte, para as crianças e suas famílias. Também é um espaço que recebe artistas e educadores residentes, juntando-se à equipe no desenvolvimento de propostas específicas, integrando adultos e crianças em processos de experiência com a arte. Nos dias  25 e 26 de maio , as oficinas do  Eu faço meu brinquedo  exploram aspectos da cultura maker  e da criação, para pensar o brincar e o brinquedo como prática coletiva. E nesta edição, o público vai desenhar com luz. Usando lanternas coloridas e uma câmera fotográfica, o objetivo é experimentar o desenho a partir de instruções que indicam movimentos do corpo. Ao fim da ação, o  Educativo  pro

31 de janeiro: Dia da Solidariedade - É de criança que se aprende a dividir, compartilha e doar brinquedos é uma ótima atividade para aprender brincando

No dia 31 de Janeiro celebra-se o Dia da Solidariedade e o livro Brinquedos de André Neves traz, de maneira lúdica, valores como consciência ambiental, reciclagem e, claro, solidariedade. BRINQUEDOS, VAMOS DOAR? Livro publicado pela Editora Mundo Mirim aborda os temas consumismo e reciclagem Dois brinquedos, um palhaço e uma boneca, conduzem o fio narrativo de Brinquedos. A obra é uma publicação da Editora Mundo Mirim, que coloca o leitor em contato com duas realidades diferentes. A menina recebe uma boneca de presente. O menino ganha um palhaço. Mas depois de muita diversão, os dois se cansam dos brinquedos, que ficam abandonados no canto da sala. Mas qual será o destino desses brinquedos? Será que eles vão ser jogados no lixo? Essa história sensível e solidária é contada apenas pelas imagens assinadas por André Neves, no formato de livro só-imagem. Esta obra, que já foi selecionada para diversos programas de leituras a nível federal e estadual, como PNBE e SME-SP